Pôster do filme “Criação” (Creation) - baseado no livro “Annie’s Box”, escrito por Randal Reynes, tataraneto de Charles Darwin, o criador da teoria da evolução.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Culto ecumênico

Minha filha caçula está se formando em medicina essa semana e ontem teve um culto ecumênico numa igreja daqui que foi comandado por um padre, um espírita e um pastor evangélico. O pastor começou dizendo que ele era também acadêmico de medicina, era um cara novo, bonito, inteligente e que falava muito bem. Começou a interpretar um versículo da gibíblia que dizia que sem deus não haveria cura e que os médicos eram apenas instrumentos na mão de deus. Nessa ladainha se saiu com a pérola de que os cientistas acreditavam somente em energia física, depois passaram a acreditar em energia mental e hoje acreditam em energia espiritual. No final de cada frase dizia amém, como um mantra e algumas pessoas respondiam, tinham alguns crentes na igreja. O espírita começou bem, falando da importância dos pais na formação dos filhos, do trabalho e da dificuldade que os pais devem ter enfrentado para que os filhos chegassem até ali, eu até estava gostando do discurso mas no final disse que a espiritualidade hoje já está provada pela ciência e citou alguns autores e um livro de uma mulher que dizia que a espiritualidade existia e que foi provada através da física quântica. É a velha ladainha de que a a física quântica provou que a espiritualidade é real, tentando dar um toque de científico nas suas crenças em espíritos. O padre foi o que falou menos merda, não tentou usar a ciência para justificar as suas crenças e fez um discurso comum de padre, falando em deus e na importância do médico em recorrer a deus nos seus momentos de dificuldades e de necessidade de ajuda. Minha filha mais velha que já é médica estava assistindo e a cada vez que eles falavam em energia espiritual ela torcia o nariz e olhava para mim indignada e impaciente. Isso para mim foi o melhor de tudo do culto. Eu nunca fiz lavagem cerebral nas minhas filhas, minha mulher é católica e também nunca fez mas eu nunca perguntei se ela era ateia ou não, acho que não faz sentido perguntar isso. Ela casou recentemente e teve uma cerimonia religiosa na igreja mas depois ela me disse que não tinha religião, que queria casar na igreja pela beleza do ritual e da comemoração. Eu senti a pressão das religiões em cima desses médicos recém formados, é realmente muito difícil ir contra essa corrente religiosa que a tudo domina e controla, acho que a única saída é os pais mesmos se conscientizarem disso e não meterem merdas na cabeça dos filhos pois a escola repete o sistema de crenças, por isso que é tão difícil se tornar ateu. Eu tive sorte de ter tido um pai ateu, acho que fui um privilegiado, desde novinho eu já questionava e discutia sobre religião, tinha bons argumentos e boas perguntas, debochava muito, era muito sarcástico e me negava a assistir as aulas de religião na escola e quando assistia questionava e criticava tudo o que os padres diziam, eu era terrível. Tenho o prazer de ver que minhas filhas não seguem nenhuma religião, acho que nem acreditam em deus e que isso vai ser muito bom para a vida delas, viver sem deus é o melhor que pode acontecer para um ser humano.

2 comentários:

Wilian Delatorre disse...

Legal. Gostei do relato. Até quando a autoridade religiosa estará presente nas mais variadas atividades humanas? Bom fds.

Ateuligente disse...

Por muito tempo ainda, religião é uma coisa estúpida e ela serve bem para pessoas analfabetas funcionais e estúpidas

Postar um comentário